Projeto: Portes Arquitetura

Foto: Projeto de Portes Arquitetura

A intenção aqui não mostrar uma fórmula mágica ou milagrosa e muito menos disparar um caminhão de regras para a fotografia perfeita.
Mas são conselhos que poderão ser valiosos para os marinheiros de primeira viagem nesse mundo da Foto de Arquitetura.

Vamos lá?

1 – Tenha um tripé

Você tem a melhor câmera que o dinheiro pode comprar? As melhores lentes do mercado? Mas e se a sua foto sair um pouquinho tremida ou desfocada? Já era, né? Você perdeu o seu trabalho.
Daria pra escrever aqui uma lista de benefícios que um tripé fornece, mas vamos falar do principal: Estabilidade.
Quando se fotografa arquitetura, existem muitas preocupações que rondam o momento da foto, como enquadramento, abertura, velocidade de exposição ideal, etc. o que requer que o momento do click seja mais lento e contemplativo.
Um tripé te possibilita planejar melhor o enquadramento e te permite também utilizar exposições mais longas que você dificilmente conseguiria fazer “na unha”.

fotodearquitetura.com.br-07

Ponte Octavio Frias de Oliveira

 

2 – Uma lente Grande Angular é importante

Por inúmeras vezes, para conseguir o enquadramento desejado você vai se encontrar na situação de precisar dar “apenas” mais um passinho pra trás e não conseguir por que ali existe uma parede! Pois bem, é nessas horas você deseja muito ter uma lente GA (Grande Angular) em mãos. São as lentes mais utilizadas para se fotografar arquitetura, de fachadas à lavabos.
Existem diversos modelos no mercado, tanto para câmeras com sensor DX (mais baratas) quanto para câmeras Full-Frame (Mais caras, porém, tem maior qualidade).

fotodearquitetura.com.br-78

Projeto: Studio T

 

3 – Nivelamento da câmera

Uma das maiores preocupações na foto de arquitetura é evitar fotos “tombadas” e com linhas verticais desalinhadas, resultados do mal nivelamento da câmera. Utilizando um tripé e um nível de bolha (ou até mesmo a opção de horizonte virtual da câmera), fica mais fácil acertar os níveis e alinhar as verticais da imagem.
Caso ainda ocorra algum deslize que passe despercebido no momento da captura, ainda é possível corrigir na pós produção, tanto no photoshop quanto no lightroom.

fotodearquitetura.com.br-0-130

Projeto: Cintia Buganza e João Bengla

 

4 – Composição e Enquadramento

A magia da foto de arquitetura se destaca pelos enquadramentos bem planejados, não basta mostrar o projeto de maneira displicente, deve haver a preocupação com proporções do quadro, perspectiva, elementos que compõe a imagem, etc. O certo aqui é experimentar. Faça fotos verticais, horizontais, mais abertas, mais fechadas e não economize nos clicks.

fotodearquitetura.com.br-95

Projeto: Bruno Rubiano

 

5 – Simetria e Ponto de Fuga centralizado

Alguns dos elementos que causam bastante impacto na imagem é o uso de simetria e centralização do ponto de fuga. São enquadramentos bastante utilizados e que sempre agradam. Mas tome cuidado para não criar o vício e fotografar somente desta maneira.

fotodearquitetura.com.br-103

Projeto: Débora Belli e Felipe Yure

 

6 – Tenha paciência

A paciência é uma das virtudes da qual a fotografia de arquitetura mais exige.
Seja para conseguir uma luz ideal ou organizar o espaço para que a foto fique perfeita, não dá mesmo para fazer com pressa. Se estiver com pouco tempo, faça poucas fotos, seu aproveitamento será melhor do que fazer muitas fotos sem o tempo adequado para cada uma.

Projeto: Portes Arquitetura

 

7 – Fotografe PARA o projeto

Até aqui tudo bem, né? “Fazer assim, fazer assado…” Mas o que interessa mesmo é mostrar o projeto de forma adequada, detalhes, texturas, acabamentos, cores, e muitos outros elementos determinantes que fazem cada projeto único. “Mas pra mostrar este detalhe vou precisar inclinar a câmera e distorcer a foto…” JUST DO IT! (Fazendo bonito, claro) Mas o que vale é o projeto aparecer!

fotodearquitetura.com.br-85

Projeto: CLM Arquitetos

 

Dica Extra: Disparo sem as mãos na câmera

Uma das ferramentas essenciais para que a foto não saia tremida (além do indispensável tripé) é um controle remoto, seja com ou sem fio. Simplesmente pelo fato de que, ao pressionarmos o disparador da câmera e tiramos a mão já causamos pequenos movimentos que podem prejudicar a imagem. Nesse caso não há tripé que dê conta.
Porém, outro recurso que pode substituir satisfatoriamente o controle é a captura por timer (Aquele de fazer retrato com a galera e o fotógrafo não ficar de fora). Deixe programado para pelo menos 2 segundos e pronto, você já vai ter mais nitidez em suas fotos.

Por enquanto é isso.

Fique atento às dicas que pintarão sempre por aqui. Clique no botão abaixo e inscreva em nosso mailing para receber as novidades.

QUERO RECEBER NOVIDADES!

0 615